Arquivo da tag: Vida

Amizade é um treco esquisito…


Já sorri, já chorei, já esperneei, já quis esquecer, já quis rever, já quis me aproximar, já quis nunca mais ver.

Assim, construímos amizades; algumas, duradouras, outras passageiras. Como tudo na vida, as amizades têm começo, meio e fim, mesmo que você desacredite esta opinião, se olhar para trás, sentirá falta de alguém que já se foi, por motivos de força maior, pelo destino, por novas escolhas, novos amigos ou por mera falta de afinidade. Sim, as pessoas mudam com o passar do tempo, e aquele melhor amigo de ontem pode ser alguém que tem características intoleráveis hoje. Você muda, o seu amigo muda, e, a partir do momento que essa mudança se torna uma barreira, cada um segue o seu caminho, levando consigo apenas a lembrança do que aquela amizade fora um dia.

Isso, de forma alguma, deve ser considerado algo triste. Tudo se transforma, e novas amizades surgirão, não melhores ou piores, mas extremamente diferentes daquelas que se foram. As que ficam se tornam parte de você, onde felicidade e tristeza são compartilhadas à distâncias incontáveis. Mesmo que não veja aquele velho amigo, bem, se você ligar pra ele agora, certamente atenderá com o tom de voz de tempos atrás, feliz.

Namorado também pode ser um bom amigo. Se não for, bem, o relacionamento se tornará apenas carnal. Se é isso que você quer, o caminho está aberto, mas logo se cansará. Afinal, ninguém vive de carne a vida inteira, todos precisamos de uma ceia completa, com direito a uma digníssima sobremesa.

Tantas pessoas já passaram pela minha vida, pouquíssimas restaram. Mas a todas gostaria de agradecer por tudo que acrescentaram ao que sou hoje. As que ainda não conheci, aguardo-as para me reinventar.

Anúncios

Chuva de pedras

Olhando os passos que dei e
Todas as tentativas que arrisquei e não tive êxito
Não doem mais,
Aquelas feridas que achei que jamais cicatrizariam
E já não preciso ter medo da solidão e
Das suas armadilhas mais temíveis
Que provaram do meu sorriso mais contido,
Rindo das minhas constantes insistências ao erro

Costumava brincar com o meu presente,
Indiferente ao feliz ou triste
Não sabia nem se compensava observar o meu estado,
Quase inconsciente

Há provas espalhadas pelas páginas que ousei riscar
Folhas rasgadas deixei para trás
Tocando-as, vejo que o oceano havia se misturado à tinta da caneta
Toquei de leve a superfície fina do papel,
E aquele verso se desfez

Perdi a minha história
Sem lembranças, estremeço e
Ouso dizer que o passado fora com eles
Numa mistura de poesia com a dureza do alvo nublado
Eram as lágrimas dos pássaros que roubavam o meu ar
Tentando se libertar
Ousando me condenar em atos decadentes

O chão que pisava era o céu que me protegia
Quando os olhos tentavam se erguer às nuvens
Caiam sobre mim as pedras do concreto
Consumida por promessas que jamais se revelaram
Encontrei a tua sombra no meio da rua
Quis entender os sons que dentro de mim orquestravam
Estendi as mãos ao teu encontro
Nessa toada de segundos e quimeras
A luz que pensei vir do sol
Tocou a minha pele
Tornou-se dois em um só elemento.

“Can you imagine a time when the truth ran free?
The birth of a sun the death of a dream
Closer to the edge”.


Um novo mundo

Para um mundo especial,

Houve um tempo em que eu não conhecia tal mundo, onde, aparentemente, parecia impossível adentrar.
Por curiosidade e um leve toque de sorte, pisei e nem sequer escorreguei.
Olhei para os lados para identificar os mínimos detalhes – sutilezas que poucos observam.
Quis conhecer a leveza do ar que ali se manifesta, os cheiros e cores que ali residem.
Assumo que busquei um abrigo, um lugar onde pudesse me esconder e, simplesmente, ficar sem ser expulsa ou ignorada.
Esperei encontrar um espaço onde pudesse descansar, encostar em um cantinho e contar a minha história, aos poucos e a cada dia.
Não esperava que esse novo mundo me acolhesse tão bem. Que ouvisse todas as minhas lamúrias e descontentações.
Ali fiquei, e ainda permaneço, recebendo o aconchego de uma cama quente em um inverno violento.
Um carinho desconhecido de um mundo que não me pertence, mas que tento decifrar em cada instante – em todos os momentos.

“Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try, to fix you.”


Pelo teu olhar

Dedico a uma grande amiga, Natali.

Observo os detalhes ao meu redor
Em silêncio, vejo todas as estrelas no céu
Poderia dizer tantas coisas
Acabo por guardar o muito para mim
Desejo não sentir falta do tempo perdido
Quero apenas contar a minha história
E todos aqueles momentos vividos
Não abro mão do carinho
Enxergo luz onde há escuridão
No entanto, eu sofro com o mal do mundo
E toda a maldade que ele carrega
Mas não desanimo
Faço da vida um mergulho no mar
E guardo todas as gotas
Para um dia, das emoções, lembrar.

“Friends will be friends,
When you’re in need of love they give care and attention.
Friends will be friends,
When you’re through with life and all hope is lost,
Hold out your hand cause friends will be friends right to the end”.


%d blogueiros gostam disto: