Arquivo da tag: Paixão

Horas, minutos e segundos

O tempo brincou com os segundos
Quis desviar do vento
Para que cada minuto ao teu lado
Fosse invariavelmente intenso

Contei os carros pelas ruas
Imaginei cada caminho em seu destino
Lembrei de detalhes dos nossos dias
Usei a imaginação para sonhar

O seu toque relembro
Mesmo quando estou sozinha à sua espera
Coloco a trilha sonora que entrega
Triste ou alegre nos revela

Enganei as horas para lhe encontrar
Depois de suas trapaças
Percebi que o tempo foi sincero
Revelou a tua face ao meu olhar.

“And our dreams will break the boundaries of our fears
Boundaries of our fears.”


Conduza a minha loucura

Desvenda-me com suas mãos,
disfarce-as com mera destreza
Que delícia reinventar cada cantinho
Desfrutar de teu calor sobre mim
Arrancar-lhe o ar e deixá-lo sobreviver com o meu.
Tua boca calando a minha
Sobra-me a tortura
de omitir a aventura
que é sussurrar em teus ouvidos
as sensações deliciosas
que o meu corpo descobre sobre o seu
Domine-me com a tua loucura
Conduza a minha cintura
Abrace cada perna minha
Arranque todo o meu desejo
Sussurre cada segredo
Grite de vontade
cada restinho de lascívia
que o teu corpo almeja.

“Você sacou a minha esquizofrenia
E maneirou na condução
Toda vez que eu errava você dizia pra eu me soltar porque você me conduzia.”


Reticências

A tua pele clara era a esperança dos meus sábados nublados
Não me importava em ficar trancada
Entre quatro paredes por tempo indeterminado
Era puro desejo, com cheiro de amor guardado
Tua voz ainda soa no meu ouvido
Você pedindo mais e eu sucumbindo à sua lascívia
Nas páginas da nossa história
Há vírgulas que denunciam a derrota
Tentei em vão encerrar com um ponto final
Resta-me contentar com as teimosas reticências

Sei que pode acender as chamas dessas cinzas
Mas desistiu de tentar entender
Essa mulher que ama feito brasa

Se te amei e te amo
Não temo
Há porquês que não exigem explicações
Por isso, te amarei sem pensar no fim
Lembro de março em todo dia vinte de qualquer mês
Alguém no mundo precisa lhe dizer o por quê?

O meu coração é um oceano de mistérios
O maior deles é te amar,
Guardando cada centímetro em sua profundidade.

“I’m wide awake and I can see
The perfect sky is torn
You’re a little late
I’m already torn.”


Cala o meu grito

Tua pele me alucina
Feito toque surpresa
Daqueles que deslizam pelo corpo
Inesperadamente, arrepiam cada fio de cabelo

Quando me distraio com a tua voz
Engano-me e você me domina
Fico perdida em suas mãos
Sentindo apenas o calor que predomina

Fecha a minha boca
Cala o meu grito
Um querer mais que omitir
O corpo se encarrega de sentir

Pressiona-me contra a parede
Arranca o veneno da minha pele
Renda-me à tua loucura
Deixa eu entrar em você.

“And we’re caught up in the crossfire
Heaven and hell
And were searching for shelter
Lay your body down.”


Átomos

Tuas mãos se encaixam em mim
Arrancam o meu ar
O calor sobressai o meu corpo
Ao exalar os átomos da nossa paixão

Loucura é contar o brilho dos teus olhos
Brincar com o timbre da tua voz
Respirar o som que lhe condena
Ser os tons trocados da tua razão

Linhas tênues nos perseguem
Contornam as curvas da tua pele
Entre ruas e avenidas
Persigo a tua sombra a noite inteira

Fico do avesso na tua presença
Palavras perdem o significado
Rimas fogem do lema
Resta tapar o sol com a peneira.

“You would not believe your eyes
If ten-million fireflies
Lit up the world
As I fell asleep”.


Chuva de pedras

Olhando os passos que dei e
Todas as tentativas que arrisquei e não tive êxito
Não doem mais,
Aquelas feridas que achei que jamais cicatrizariam
E já não preciso ter medo da solidão e
Das suas armadilhas mais temíveis
Que provaram do meu sorriso mais contido,
Rindo das minhas constantes insistências ao erro

Costumava brincar com o meu presente,
Indiferente ao feliz ou triste
Não sabia nem se compensava observar o meu estado,
Quase inconsciente

Há provas espalhadas pelas páginas que ousei riscar
Folhas rasgadas deixei para trás
Tocando-as, vejo que o oceano havia se misturado à tinta da caneta
Toquei de leve a superfície fina do papel,
E aquele verso se desfez

Perdi a minha história
Sem lembranças, estremeço e
Ouso dizer que o passado fora com eles
Numa mistura de poesia com a dureza do alvo nublado
Eram as lágrimas dos pássaros que roubavam o meu ar
Tentando se libertar
Ousando me condenar em atos decadentes

O chão que pisava era o céu que me protegia
Quando os olhos tentavam se erguer às nuvens
Caiam sobre mim as pedras do concreto
Consumida por promessas que jamais se revelaram
Encontrei a tua sombra no meio da rua
Quis entender os sons que dentro de mim orquestravam
Estendi as mãos ao teu encontro
Nessa toada de segundos e quimeras
A luz que pensei vir do sol
Tocou a minha pele
Tornou-se dois em um só elemento.

“Can you imagine a time when the truth ran free?
The birth of a sun the death of a dream
Closer to the edge”.


Oceano no céu

O teu abraço é tão próximo que sinto à distância
Mesmo numa madrugada fria de inverno
O seu corpo me aquece e, ao mesmo tempo, me consome
Fico a lembrar do teu toque, e de nossas conversas.

A nossa história atravessará estações
Levando consigo o calor do verão, o frio do inverno
As folhas do outono e as paixões da primavera
E de noite, veremos estrelas em céus ausentes

Venha mergulhar no oceano límpido do céu
Andar sobre o mar inocente na terra
Compartilhe todos os dias e noites comigo
Seja muito mais que um abrigo

Leve-me para um lugar distante
Esconda as minhas fotos antigas
Bem no fundo do rio
Mergulhe-me no teu presente.

“I can’t do everything, but I’ll do anything for you
I can’t do anything ‘cept be in love with you”.


%d blogueiros gostam disto: