Vicissitude

Impulsos que cortam a voz
Vozes penetrantes da alma
Espíritos perdidos na escuridão
Ausência de luz em respostas vazias

Fogo que congela
Gelo que esquenta
São as inconstâncias que definem
Sua real temperatura

Uma parede entre nós
Duas mãos que não se alcançam
Uma vida deixada de lado
Laços que não se cruzam

Sua voz se arrasta pela sala
O som demora a chegar em meus ouvidos
A negativa deixa cicatrizes
Fendas espaçadas que não remetem ao tempo
Traduzem a rejeição
Linhas mal resolvidas

Quero ser as unhas que roçam a tua pele irritada
A ranhura sangrenta provocada pela lâmina destemida
A loção que acalma e nutre suas lacunas
Na sexta-feira à noite
Poderia ser o primeiro trago de cigarro
O último copo de cerveja
Os olhos da manhã seguinte
Corpo sobre corpo
Tua manhã de sábado e domingo

Banhada no álcool do não
Me despeço da quimera que criei
Numa tarde de quinta-feira
Quando bebi cada detalhe de sua voz
Nuances de Um Dia
Páginas viradas
Crespas como as folhas do outono.

tumblr_m05p5tlSNn1rqfd6no1_500

“Wherever you are, I always make you smile
Wherever you are, I’m always by your side
Whatever you say, kimi wo omou kimochi
I promise you “forever” right now.”

Anúncios

{versando sensações} #05

Meus relacionamentos são duradouros, mas nunca duram o suficiente para dar certo.


Arco-íris

A chuva que cai lá fora
Conta histórias ainda não ditas
Que passaram anos envolvidas
Em calhas e folhas escondidas
Desenho seu rosto
No suor do vidro
Que transpira sozinho
Afogado em lembranças perdidas
Não há som algum
No silêncio torrencial
Que cai triste de nuvens distantes
Até encontrar você
Do outro lado do arco-íris.

rainbow

“I will catch you, never let you go
I won’t let you, go through it alone
So don’t feel left out, we all fall down
We all fall down.”


Sonhos distantes

Antes de querer realizar meus sonhos mais distantes, que é me tornar fluente em japonês e em inglês e morar uns anos no Japão, gostaria muito de ter uma relação mais saudável com a minha família, principalmente com meu pai. Não somos filha e pai há muitos anos, mas se for para determinar o início dessa relação conturbada, diria que começou na minha adolescência. Sempre tive um gênio difícil, daqueles que lutam para provar aquilo que acreditam e, por teimosia, acabam entrando em discussões sem fim. Claro que não me considero a única culpada por todos os problemas, até porque meu pai também tem seus defeitos. Uma das coisas que menos gosto nele é seu jeito autoritário de lidar com as coisas e até mesmo com os sentimentos. É estranho, mas ele costuma colocar sua autoridade acima de tudo, e a usa como arma para conseguir o que deseja. Desde aquela época percebo que me tornei alvo de suas frustrações e sua personalidade, no meu ver, tornou-se cada vez mais marrenta. O que isso quer dizer? Bem, ele costuma inventar motivos para me deixar mal quando ele mesmo não se sente bem por algum motivo. E para me atingir, ele tenta tirar tudo aquilo me faz bem ou me anima de alguma forma. Antes ele tinha mais poder sobre mim, que ele usava, por exemplo, para me proibir na cada de um antigo namorado ou para evitar que eu saísse à noite com amigos. Agora, aos meus 23 anos de idade, ele já não consegue me controlar assim, por isso ele acabou criando outras formas para que eu não faça o que eu quero.

Mas, sabe, não me importo muito com essas coisas. O que eu queria mesmo, do fundo do meu coração, é ter uma família unida, feliz e que todos pudessem contar um com o outro. Queria poder chegar em casa e abraçar meus pais, jantar com eles, contar como foi meu dia no trabalho ou no curso de japonês sem julgamentos e com toda atenção que qualquer filho gostaria de receber de sua família. Isso mesmo, queria muito que eles me ouvisse de verdade. Na maioria das vezes, falo, falo, falo, mas minha voz nunca chega em seus ouvidos, mesmo quando não estamos no meio de uma briga. Parece que não há interesse da parte deles. Porém, nesse sentido, tenho que reclamar mais da minha mãe. Ela quase sempre não se interessa muito pelas coisas que compartilho com ela e frequentemente julga minhas escolhas e conquistas. Isso é frustrante, é lógico. Mas eu a amo demais. Sem ela, nem estaria escrevendo este texto. Claro que nossa relação também é conflitante. Ela, assim como eu, tem um gênio forte, grita mais do que fala e não gosta de ouvir conselho ou opinião de ninguém. É teimosa demais. Mas nós quatro, meu irmão também entra nessa equação, somos muito teimosos. Imaginem os transtornos que enfrentamos por causa desse defeito em comum… Não é fácil.

Meu grande sonho é que minha família seja feliz em todos os sentidos e que meus pais tenham orgulho dos filhos que têm, não apenas de mim mas do meu irmão mais velho também. Com todos felizes, posso continuar a sonhar meus sonhos mais egoístas, mas que não deixam de ser os impulsos que me fazem seguir em frente. Agradeço a todos eles, sem exceção.


Juntos vamos mais longe

Seus braços não existem apenas para me abraçar
Mas eles são especialistas nisso
Sua boca pode até beijar um rosto amigo
Mas é na minha que ela se torna uma
Seus olhos são míopes como os meus
Mas eles têm o poder de me ler por inteira
Seus pés suportam a tensão dos dias
Mas encontram a paz quando encostam nos meus

Você não é minha metade
Porque te quero por inteiro
Você não me completa
Porque não é uma peça de quebra-cabeça
Que precisa se encaixar em mim
Você existe mesmo sem nós
Mas juntos somos melhores
Juntos vamos muito mais longe.

“I’ll be your keeper for life as your guardian
I’ll be your warrior of care your first warden
I’ll be your angel on call, I’ll be on demand
The greatest honor of all, as your guardian.”

Ahhh, o amor!

Há amor de tudo quanto é jeito: amor que dá certo, amor que dá errado, amor que vira casamento, amor que não sai do zero a zero. Amor platônico, daqueles de trem e metrô. Amor de verdade, que se renova a cada viagem. Amor, amor, amor. Infinitas possibilidades de viver um, basta estar disposto a tal.

“We’ve got tonight, who needs tomorrow?
We’ve got tonight, baby
Why don’t you stay?”


Resquícios

Não há nada além de mim
Em linhas vermelhas no horizonte
Vejo o sorriso que deixamos pra trás
Quando caminhávamos na mesma direção
E não havia inflamação de egos
Apenas a pureza dos primeiros encontros
A mistura da crença e de um novo começo
De mãos dadas até o fim
Tudo fazia tanto sentido
De olhos fechados e rosas no vestido
Só via as luzes da grande avenida
Perdidos em meio a prédios e fantasia
O palco de nossa epopeia estava formado
Estação fria era aquela
Por favor, cachecóis e calor
Voltem com tudo pra mim
Sim, ainda há luzes na avenida
E posso ver seu brilho
Resquícios do que vi.

Imagem
“I know it’s late, I know you’re weary

I know your plans don’t include me
Still here we are, both of us lonely
Longing for shelter from all that we see
Why should we worry?”


%d blogueiros gostam disto: